Me chamo Júlia Fernandez. Minha aldeia é Pindó Poty. Vivo aqui em Pindó Poty. Meu nome indígena é Yva Mirim. Todos os meus parentes e também os não parentes me chamam de Yva'i. Meu pai era Faustino, o barbudo. Eu era a filha do barbudo. Quando nasci, me chamaram Yva’i. Eu tenho um irmão que se chama Verá. É pra você, Verá, que falo agora. Você é Verá e estou com saudades. Seu nome é Verá, mas você também tem seu apelido, eu te chamo por Tiró. Você é meu irmão. Por isso estou me lembrando de você. Estou com muita vontade de ver você, com todo meu coração. Eu sou daqui de Pindó Poty e estou te mandando essa mensagem. Nós dois precisamos nos ver, de corpo e de alma. Preciso que você se lembre de nossa aldeia e venha nos ver. Eu vi seu vídeo e estou te mandando meu vídeo também. Preciso que você venha. Nós somos irmãos de sangue, você me chama irmã e eu te chamo irmão. Mesmo estando longe um do outro, estou bem, estou tranquila. 

 

Precisamos nos comunicar espiritualmente sempre. Muitos anos se passaram e continuo vivendo e me lembrando do meu irmão e de outras pessoas que passaram pela minha vida. Eu continuo forte, porque não quero que meus parentes me sintam fraca. Quantos anos novos e anos velhos já se passaram e continuo forte tendo os espíritos de vocês velando por mim. Tem muitas coisas ruins acontecendo, mesmo assim me mantenho forte. Não quero me enfraquecer e eu penso em nos encontrarmos. Preciso que nos encontremos um com o outro... Precisamos nos ver. É isso o que estou pedindo. 

 

É até aqui a minha fala. 

Jurina 

Sua fala será vista